Para maioria da corte, STF precisa de autorização da Câmara para discutir validade das provas contra Temer

São Paulo – A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram nessa quarta-feira (20) pelo envio da nova denúncia contra Michel Temer para avaliação da Câmara dos Deputados. Três ministros ainda devem proferir seu voto.

Na pauta da sessão de hoje estavam dois pedidos da defesa do presidente da República, que foi alvo de novas acusações da Procuradoria-Geral da República na última quinta-feira.

Os advogados do peemedebista pediram a suspensão da denúncia até que as suspeitas em torno da delação dos executivos do grupo J&F fossem esclarecidas e a análise da validade das provas apresentadas graças a esse acordo de colaboração.

Para a maioria dos membros da corte, contudo, esse não é o momento para discutir esses assuntos já que o Supremo depende de autorização da Câmara dos Deputados para analisar a admissibilidade da denúncia.

“À Câmara dos Deputados compete deliberar por primeiro. Somente após autorização da Câmara é que tem cabimento dar prosseguimento à persecução criminal no STF”, disse o ministro Edson Fachin. 

Os ministros Alexandre de Moraes, Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Ricardo Lewandowski seguiram o voto do relator. O ministro Dias Toffoli seguiu o relator em partes.

Ao proferir seu voto, Barroso lembrou que a delação dos executivos do grupo J&F não são a única base para a denúncia. “Ainda que caísse a colaboração premiada discutida, há um conjunto de provas apresentadas”, afirmou. Fonte: http://exame.abril.com.br

O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin autorizou a prisão do empresário Joesley Batista, dono do grupo J&F (JBS/Friboi), e de Ricardo Saud, executivo da empresa, segundo informações do jornal O Estado de São Paulo.

As prisões seriam temporárias e ainda não há previsão de quando serão efetuadas pela Polícia Federal.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a prisão dos executivos do grupo que controla a JBS na última sexta-feira, após divulgação de áudio que gerou suspeitas contra delação de ambos. Fonte: https://paraibaonline.com.br

A PF reuniu indícios que apontam para a ligação entre o ex-ministro e os R$ 51 milhões


BRASÍLA - A Polícia Federal (PF) faz operação na casa do ex-ministro Geddel Vieira Lima em Salvador na manhã desta sexta-feira. Os policiais federais chegaram antes das 6 horas. Geddel deve ser preso pela PF, por decisão da Justiça Federal em Brasília. A PF reuniu indícios que apontam para a ligação entre o ex-ministro da Secretaria de Governo do presidente Michel Temer e os R$ 51 milhões em dinheiro vivo apreendidos nesta semana num apartamento em Salvador.

O ex-ministro havia sido preso preventivamente em 3 de julho dentro da Operação Cui Bono, suspeito de atrapalhar investigações. Ele obteve o direito de cumprir prisão domiciliar, determinada pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região. Geddel deixou o Presídio da Papuda, em Brasília, no dia 13 de julho, e seguia em seu apartamento em Salvador sem tornozeleira eletrônica. O dispositivo está em falta na secretaria de administração penitenciária da Bahia. Os fatos novos, surgidos na Operação Tesouro Perdido, que apreendeu os R$ 51 milhões, motivam nova prisão do político baiano, independentemente do benefício obtido no TRF.

A PF elencou novas provas e situações que complicaram a situação de Geddel: as digitais do ex-ministro colhidas no apartamento onde houve a busca estavam impressas no próprio dinheiro e material que acondicionava as notas; uma segunda testemunha ouvida após a operação policial confirmou que o espaço havia sido cedido a Geddel, corroborando o que disse o dono do imóvel; uma segunda pessoa é suspeita de auxiliar o político baiano na destinação das caixas e malas de dinheiro; e a PF identificou risco de fuga depois da revelação da história da maior apreensão de dinheiro vivo já registrada no Brasil.

A origem dos R$ 51 milhões ainda permanece misteriosa. A suspeita da PF é que parte do dinheiro se trata de propinas para viabilizar a liberação de crédito do FI-FGTS a empresas. Geddel é suspeito de receber R$ 20 milhões em propinas. O peemedebista foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013, indicado pela então presidente Dilma Rousseff. Fonte: https://oglobo.globo.com

Ex-ministro também afirmou que o ex-presidente sabia da compra de um terreno para o Instituto Lula e de um imóvel vizinho ao apartamento do petista, como propina

Os advogados de Antonio Palocci disseram nesta quarta-feira (6) que, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, o ex-ministro afirmou que R$ 4 milhões foram dados pela Odebrecht em dinheiro para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Palocci também teria contado a Moro que o petista sabia da compra de um terreno para o Instituto Lula e de um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo, como forma de propina.

De acordo com os defensores de Palocci, uma das vantagens oferecidas pela Odebrecht para manter o bom relacionamento com o governo da presidente Dilma Rousseff foi a manutenção de uma conta no valor de R$ 300 milhões. Fonte: http://bahia.ba

Mandado de busca e apreensão foi emitido pela 10ª Vara Federal de Brasília

BRASÍLIA - A Polícia Federal (PF) encontrou nesta terça-feira um “bunker’ em Salvador (BA) que seria, supostamente, utilizado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima ( Secretaria de Governo) para armazenagem de dinheiro em espécie. Geddel cumpre prisão domiciliar na Bahia. O valor ainda não foi divulgado.

A PF deflagrou hoje a Operação Tesouro Perdido, que cumpriu mandado de busca e apreensão emitido pela 10ª Vara Federal de Brasília.

Segundo a PF, os valores apreendidos serão transportados a um banco onde será contabilizado e depositado em conta judicial.

A localização do “bunker” foi possível após investigações nas últimas fases da Operação Cui Bono.

Geddel é reú em processo em que é investigado por obsturção de Justiça. O ex-ministro é suspeito de tentar impedir que o doleiro Lúcio Funaro fizesse uma delação premiada.

Na denúncia apresentada à Justiça Federal, o MPF afirma que o ex-ministro teria tentado atrapalhar a Operação Cui Bono, que apura fraudes na liberação de crédito da Caixa, de onde o ex-ministro foi vice-presidente de Pessoa Jurídica entre 2011 e 2013, no governo Dilma Rousseff. Fonte: https://oglobo.globo.com

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) subiu à tribuna nesta quinta-feira (dia 31) para fazer um discurso no qual dirigiu diversas críticas ao Ministério Público Federal. Em um recado ao chefe do MPF, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Renan disse que o “brilho dos holofotes ofusca os olhos e cega a razão”. Ex-presidente do Congresso Nacional e ex-líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros tem feito frequentes discursos críticos ao Ministério Público.

Alvo de um processo e 17 inquéritos no Supremo Tribunal Federal, o peemedebista é investigado em 13 deles por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção que atuou na Petrobras e na Transpetro. Ele nega as acusações. Além disso, o parlamentar alagoano é réu, na Suprema Corte, por peculato (desvio de dinheiro público).

JUVENTUDE IRACUNDA – “Ao senhor Rodrigo Janot e à juventude iracunda que o acompanha, a experiência mostra que o brilho dos holofotes ofusca os olhos e cega a razão. Cega deve ser a Justiça e nunca o ódio, a ambição, a vaidade desmedida.”

Durante o discurso, de mais de uma hora, Renan também criticou a forma pela qual os acordos de delação premiada, chamados de “premiadas delações”, são feitos. Na avaliação do senador, os investigados são submetidos a “forte pressão psicológica” para denunciar políticos “em troca da impunidade”. Para o peemedebista, as delações “estão sendo desvirtuadas”.

“Órgãos de persecução penal ergueram uma cena de medo, incitando delações inverídicas em busca da impunidade e eliminando a espontaneidade da colaboração, ao manter réus presos em péssimas condições até delatarem”, afirmou.

EMBUSTES – Sobre os 17 inquéritos dos quais é alvo, Renan se queixou da forma como as investigações são divulgadas. Embustes e publicidades opressivas compõem o cenário onde se multiplicam inquéritos a partir de alusões mentirosas, irresponsáveis de delatores premiados, desacompanhados de qualquer franja de prova. Alardeiam que sou investigado 17 vezes no STF, o que não dizem é o que contém nos inquéritos, como foram instaurados e multiplicados”, declarou.

Ele comentou, ainda, as delações da Odebrecht, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e do ex-senador Delcídio do Amaral, nas quais foi citado, e que, segundo Renan, podem ser revistas por falta de provas.

Disse que o Ministério Público não é ‘dono do mundo: “Contra a lei, o MP quer o monopólio das investigações, desconfiando da Polícia Federal. O MP pode ser o dono da ação penal, e realmente é, mas o MP não é dono do mundo nem da Constituição nem do STF nem do Congresso nem da honra e da reputação de ninguém”.

VAZAMENTO – O senador acusou Janot de estimular vazamentos: “Vários acontecimentos mostram que o chefe do MP promoveu, estimulou e acobertou vazamentos jamais apurados de dados mantidos sob segredo de justiça; demandou prisão preventiva com base em simples presunções e sem suficiência probatória apta; pediu busca e apreensão sem antes adotar diligências complementares; ingressou com denúncias sem o inquérito; e, por fim, solicitou o meu afastamento da presidência do Senado Federal com fundamento já repelido também pelo Supremo Tribunal Federal”. E acrescentou:

“Condenações seletivas, antecipadas e sem provas não fazem bem ao processo democrático. Com todo respeito, beira o ridículo denunciar alguém com base, apenas e tão somente, na palavra de delatores e em pesquisas em fontes abertas, como o Google e redes sociais.”

Procurada pelo G1, a assessoria de Janot informou que não se manifestará sobre o assunto. Fonte: www.noticiasbrasilonline.com.br

Dom José Maria Maimone, Bispo de Umuarama (PR)

Ao rezar o salmo 52, nesse tempo em que todos os meios de comunicação do Brasil falam só da corrupção dos nossos políticos, é impossível não pensar neles e na situação vergonhosa e desastrosa em que estamos vivendo no país da Santa Cruz.

Parece até que o salmista, autor deste salmo está vivendo hoje e aqui, entre os brasileiros. Embora a maioria dos nossos políticos se intitule cristãos, na pratica eles são ateus e devem repetir estas do início do salmo: “Deus não existe! É uma fantasia!” (v. 2).

“Eles se corromperam e se entregaram a todo tipo de perversidade e abominação. Nenhum deles pratica o bem.” ( 2).

E o salmo continua afirmando que, do céu, Deus procura entre eles alguém que ainda creia nele, mas não encontra um sequer, pois “a corrupção é grande. Contaminaram-se uns aos outros e já não há quem faça o bem. Não existe um sequer!” (4).

Depois, o salmista pensa naqueles que sofrem as consequências da desonestidade, aqueles que são pobres e trabalhadores: “Será que esses malvados não percebem que estão explorando e matando o povo? Povo que trabalha e se sacrifica a fim de produzir para eles o alimento e as riquezas, que são dons preciosos do Deus que eles desprezam?” ( 5)

O salmista espera (e nós também) que chegue o dia em que a justiça será feita. Dia em que cada um receberá e cumprirá a devida pena, Dia em que termine a perda de tempo e de dinheiro sem resultados, pois não retorno dos bens roubados e tudo parece acabar em marmelada.

“Mas virá grande temor sobre os ímpios. E eles, que não conheciam o medo, vão tremer apavorados, porque Deus dispersará os que agridem os seus fiéis”. (6).

E o salmo termina assim: “Haverá grande exultação, paz profunda e muita alegria quando o Senhor libertar o seu povo. Venha do céu a salvação de Israel” (7).

Nós também queremos terminar assim essa nossa oração: Que Deus olhe para nós com misericórdia e nos dê também, paz, alegria e muita exultação. Que venha do céu de anil a salvação do Brasil! Fonte: http://cnbb.net.br

FERNANDO GABEIRA

Gilmar Mendes rides again. Há um mês escrevi que ele foi padrinho de casamento da Dona Baratinha. Numa mensagem em que condenava meus textos sobre ele, afirmou que não foi o padrinho mas acompanhou sua mulher, madrinha do noivo.

Se ele afirmava que não foi o padrinho, estava disposto a escrever isso, limitando-me a informar que ele foi apenas para prestigiar a festa no Copacabana Palace, que terminou em pancadaria e presença policial.

Apesar de sua flor branca na lapela do terno, Gilmar sabe melhor que eu se foi ou não padrinho. Para mim a presença de Ministro do Supremo naquele lugar e naquele momento é o problema. As manifestações na festa de Dona Baratinha não foram um relâmpago em céu azul. Há décadas circulavam notícias de corrupção dos poliíicos pelas empresas de transporte dos Barata.

Não era uma corrupção qualquer. Houve rumores de distribuição de dinheiro pelo próprio presidente da Assembleia, na época Sérgio Cabral, num dos banheiros da casa. Na Câmara Municipal, houve também entrega de dinheiro repassada pelo próprio presidente. Era, portanto, uma corrupção das instituições democráticas de cima para baixo.

Os Baratas compravam politicos porque queriam maiores lucros, as vezes sintetizados em preços altos e precárias condições de conforto. Era uma corrupção que repercutia no cotidiano tornando-o mais áspero e caro. Agora, Gilmar Mendes concede um habeas corpus em tempo recorde para Jacob Barata Filho. Confesso que, como quase todo mundo, fiquei estupefato.

No mês passado, achava que Gilmar Mendes era inimigo de Rodrigo Janot e isto estava repercutindo negativamente não só nos rumos da Lava Jato e também na própria imagem da justiça que realmente se desgasta com choques pessoais no topo dada instituição. Estava equivocado porque mesmo com a saida de Janot, Gilmar Mendes não será conquistado para o campo dos que apoiam o desmonte do gigantesco esquema de corrupção no Brasil.

Ao libertar Barata, passou da hostilidade aos procuradores à proteção aberta aos acusados de corrupção. Lamento porque Gilmar Mendes é inteligente e corajoso. Não é mais um adversário a ser neutralizado, mas derrotado.

Sua assessoria, segundo os jornais, confirmou que foi padrinho (aquele flor branca na lapela) mas informou também que o casamento não durou mais do que seis meses. As pessoas estavam se referindo apenas à cerimônia e não à estabilidade do casamento. Não cabe ao padrinho mencionar esse tema em público.

Em defesa de Gilmar, o advogado Sérgio Bermudes, dono banca onde trabalha a mulher de Gilmar, fez uma defesa que não me convence. Ela é corretamente abstrata quando descreve os limites da lei e afirma que parantescos longínquos, laços de amizade se fossem impedimento acabariam reduzindo muito a produtividade da justiça.

Mas a defesa que me parece abstratamente correta não toca num ponto central: quem é o juiz, quem é o réu, em que circunstâncias históricas eles são envolvidos? Declarar-se suspeito é uma forma de entender a lei. E ela foi feita para os especialistas em leis. O Ministro Edson Fachin declarou-se suspeito num processo porque foi padrinho de casamento do filho de um dos advogados da defesa.

Gilmar costuma dizer que não teme os clamores da multidão. Mas dito dessa forma supõe-se uma turba enfurecida. Mas não é isso que acontece agora onde cerca de um milhão de pessoas assinam uma petição pelo seu impeachment. Pessoas que questionam o trabalho de um Ministro do Supremo e utilizam esse instrumento são, de um modo geral, cidadãos com um nível de consciência política superior ao das multidões. No seu destemor, Gilmar tornou-se o anti Lava Jato. Todas as esperanças de impunidade passam por ele e os ministros de sua turma.

Ele costuma citar um jurista português para quem a lei no Brasil é usada com malandragem. Ele devia refletir um pouco se está mesmo passando boa imagem internacional da justiça brasileira. Durante vários dias menções a ele ocupam os postos de temas mais comentados na Internet. E negativamente. Quem examinar o Brasil através da rede, é isso que fazem a maioria dos estrangeiros, vai perceber que existe uma rejeição nacional ao trabalho de um ministro do STF.

Carmem Lúcia vai decidir se Gilmar é ou não suspeito para atuar no caso de Jacob Barata. Ela terá todos os dados da relação, do casamento onde as pessoas jogavam objetos nos manifestantes, do patrocinio de Barata ao Instituto de Gilmar, enfim dados que podem o não preencher os requisitos da lei.

Mas ela sabe que estará julgando algo muito mais importante. É a própria imagem do Supremo, num momento em que, não só pelas interferências políticas mas pela sua resistência à luta contra corrupção, a opinião pública quer Gilmar fora do STF.

Na troca de mensagens, Gilmar foi muito agressivo. Na minha idade e na atual situação catastrófica do país, não acho adequado trocar insultos com ninguém. Por isso, continuo a vê-lo de uma forma política. Assim como pensei que fosse possivel neutralizá-lo passada a fúria anti Janot, cordialmente agora peço o seu impeachment.

Reconheço a coragem para enfrentar a opinião pública. A opinião pública `as vezes erra, `as vezes acerta. Estar contra ela no momento que defende suas melhores aspirações, é uma escolha audodestrutiva. Daí o advérbio cordialmente ao lado da minha assinatura pelo impeachment. Quantos milhões a mais serão necessários para Gilmar compreender que não se trata de uma opinião difusa mas de uma quase unanimidade?

Poderíamos dar uma ajuda. E não seria nada raivoso, nada parecidocom choques de esquerda e direita, apenas uma campanha humanitaria: Vamos salvar Gilmar de Gilmar. Se as autoridades andassem na rua, veriam que além de abaixo assinados, Gilmar desperta também os piores instintos. Fonte: www.noticiasbrasilonline.com.br

No próximo domingo (27) o Movimento Vem Pra Rua fará atos em 22 cidades brasileiras, desta vez, o movimento se posiciona contra o fundo eleitoral, contra a impunidade e quer a renovação política.

O Vem Pra Rua vai divulgar uma “lista negativa”, ou “tchau, queridos”, como nome de todos os políticos que não devem ser eleitos e nem reeleitos.

O movimento acredita que é necessária, ao lado de outras entidades da sociedade civil, a criação de uma Frente de instituições que além de promover uma agenda positiva para o país, que seja capaz de identificar novos nomes para participarem das eleições de 2018.

Por nota, o Movimento Vem Pra Rua afirma que, “Embora a agenda inicial da Frente ainda não esteja completamente fechada, alguns princípios do movimento estarão presentes, como por exemplo, a busca por um Estado desinchado e mais eficiente, a crença em um sistema político que represente efetivamente os cidadãos brasileiros e, claro, a luta constante contra a corrupção, que drena recursos essenciais que deveriam estar alocados em prol do povo, em áreas como saúde, educação e segurança”. Fonte: www.noticiasbrasilonline.com.br

Presidente do PT no RJ, Washington Quaquá comemorou iniciativa de Assunção. Ele acredita que mais pessoas vão se filiar ao partido.

O ator Fábio Assunção se filiou ao PT. A informação foi antecipada nesta segunda-feira (14) pela coluna "Expresso", da revista "Época", e confirmada nesta quarta-feira (16) em publicação no site do partido, no Rio de Janeiro. Além de Assunção, os atores Tássia Camargo e Nando Cunha, e a professora e escritora Elika Takimoto também passaram a integrar a legenda.

Segundo comunica a nota na página do partido no Rio, o presidente do PT no estado, Washington Quaquá, comemorou as novas filiações. Para ele, os artistas poderão "estimular o ingresso de mais pessoas no partido". De acordo com a nota, Quaquá também considerou fundamental a presença do ex-presidente Lula no Rio para que os famosos decidissem se filiar.

Lula esteve no Rio no último sábado (12) durante plenária da Central Única dos Trabalhadores (CUT), na quadra da escola de samba Império Serrano, em Madureira, na Zona Norte da cidade. Fonte: http://g1.globo.com

"Palavras duras, claras, veementes e proféticas. Dedo em riste que aponta ao coração mesmo da política econômica do governo Temer. Governo que para pavimentar esse caminho de entreguismo usa de todas os mecanismos e artimanhas que tem ao seu alcance" escreve Alfredo J. Gonçalves, padre carlista, assessor das Pastorais Sociais.

Eis o artigo.

“Eu vi… e ouvi os clamores do meu povo” (Ex, 3,7)

Com essas palavras extraídas do Livro do Êxodo, a Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Social Transformadora da CNBB se pronuncia sobre a crise política em que está mergulhado o país. A mensagem, de 1º de agosto de 2017, é endereçada “aos bispos das Pastorais Sociais”. Estas últimas, por sua vez, representam verdadeiros “exércitos” de agentes pastorais que atuam na base, junto aos operários e desempregados; camponeses e trabalhadores sem terra; migrantes, itinerantes, refugiados e nômades; menores e crianças desnutridas; pescadores e marítimos; mulheres prostituídas e encarcerados... Entre outros representantes das Comunidades Eclesiais.

Vale a pena citar todo um parágrafo da nota que, remetendo-se simultaneamente ao texto bíblico citado, à Constituição Gaudium es Spes do Concícilo Vaticano II e aos documentos da Igreja na América Latina, diz literalmente: “Clamam aos céus, hoje, as muitas situações angustiantes do Brasil, entre as quais o desemprego colossal, o rompimento da ordem democrática e o desmonte da legislação trabalhista e social. O governo, em lugar de fortalecer o papel do Estado para atender as necessidades e os direitos dos mais fragilizados, favorece os interesses do grande capital, sobretudo financeiro especulativo, penalizando os mais pobres, por exemplo com a reforma da previdência, falsamente justificada”.

Palavras duras, claras, veementes e proféticas. Dedo em riste que aponta ao coração mesmo da política econômica do governo Temer. Governo que para pavimentar esse caminho de entreguismo usa de todas os mecanismos e artimanhas que tem ao seu alcance. Prova disso foi a vitória envergonhada na Câmara dos Deputados para engavetar as denúncias que há tempo pesam sobre a autoridade máxima da nação. Nunca se viu funcionar com tamanha eficácia a troca de titulares por suplentes e a pressão do executivo sobre o legislativo, bem como a prática do “balcão de negociatas” entre ambos os poderes. Ou, mais prosaicamente, a compra e venda de privilégios e benefícios. Resta perguntar se a mesma estratégia funcionará para as próximas denúncias já em andamento pelo Ministério Público.

Os bispos estão cheios de razão. De fato, a política atual, com uma onda de privatizações, com a liberação do mercado total e com reformas que penalizam os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, o governo caminha na contramão dos “clamores” que chegam das bases. Surdo e cego às vozes das ruas, segue seu programa que traz, ao mesmo tempo, concentração de riqueza e exclusão social. Resulta disso o “desemprego colossal”, a falta de apoio a pequenos e médios produtores, empreendedores ou comerciantes, a fuga de cérebros para o exterior, a precarização crescente dos serviços públicos. Estes últimos acabam reconvertidos em mercadorias a serem vendidas por empresas privadas, evidentemente a preço de mercado. Bens pagos duplamente: primeiro, com a carga de impostos e, agora, com a elevação dos preços.

Uma pergunta conclusiva: que impacto terá esse pronunciamento não somente sobre os participantes das pastorais sociais, mas também sobre os movimentos sociais, as organizações não governamentais e trabalho de base em geral – hoje aparentemente tão fragmentados? Como poderão ser sacudidos o descrédito, a apatia e o marasmo que parecem ter dominado não poucas forças vivas da nação? Ou melhor, como canalizá-las num projeto popular em vista do “Brasil que queremos”, como se dizia na segunda Semana Social Brasileira, em meados da década de 1990? Perguntas cuja resposta só poderá levantar-se do chão! Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

Roberta Luchsinger afirma que condição social pode atrair mais atenção à campanha do petista em 2018 

SÃO PAULO — Herdeira da família fundadora do banco Credit Suisse, Roberta Luchsinger vai doar cerca de R$ 500 mil em dinheiro e objetos pessoais de valor ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após o bloqueio de bens decretado pelo juiz Sergio Moro. Ao GLOBO, ela relatou nesta sexta-feira que a doação, apelidada de "Bolsa Lula", tem "valor simbólico" e disse não existir nenhuma prova contra o petista, condenado a nove anos e meio de prisão no caso do tríplex do Guarujá.

Em apoio ao ex-presidente, que teve mais de R$ 9 milhões em planos de previdência e contas bancárias bloqueados, Roberta vai reunir artigos próprios, como cheques, objetos e joias, em uma mala de grife que será entregue pessoalmente a Lula. Ela sugere que o petista realize uma penhora dos bens. O encontro entre os dois é intermediado pelo ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gilberto Carvalho, amigo pessoal da herdeira. Ela alega que, por já colaborar regularmente com a caridade, não vê problemas em destinar a doação ao ex-presidente.

— Há muitos anos eu mantenho projetos sociais. A comunidade de Brasilândia me conhece bem, não preciso ficar alardeando. A minha doação ao Lula tem um poder simbólico: mostrar à sociedade o quanto um presidente como ele faz falta aos mais desfavorecidos. Eleger Lula presidente é muito mais importante do que qualquer tipo de caridade — disse ao GLOBO.

Neta do banqueiro suíço Peter Paul Arnold Luchsinger e herdeira do Credit Suisse, segundo maior banco da Suíça, Roberta dedica muitas postagens em redes sociais à política, sempre em defesa de Lula e contrária às reformas propostas pelo governo do presidente Michel Temer. Seu perfil mais ativo nas redes mescla o assunto com posts sobre viagens, refeições, trabalho e vida particular. A doação foi apelidada de "Bolsa Lula" em referência ao "Bolsa Família", como revelado pelo jornal "Folha de S. Paulo". Paula afirma que a condição social deve atrair mais atenção à campanha do petista em 2018.

— Quero mostrar que estou com Lula, independente da minha origem social. Sei que sou uma estranha no ninho, mas não me incomodo — conta.

A preocupação em colaborar com o ex-presidente envolve também críticas à Lava Jato. Além de acreditar na inocência de Lula, ela questiona as decisões de Sergio Moro, a quem acusa de ser parcial.

— Não existe nenhuma prova contra Lula. Não sou eu quem afirma isso e sim juristas importantes. Basta ver quais políticos estão presos e a quais partidos eles pertencem para constatar o quanto Sergio Moro tem sido parcial em seus julgamentos.

Filiada do PCdoB desde que foi casada com o ex-delegado e ex-deputado federal Protógenes Queiroz, Roberta pretende se candidatar a deputada estadual pelo partido em 2018. O perfil de herdeira, em sua visão, não gera discrepância com as propostas dos partidos de esquerda.

— Minha luta é pelo social. Quem investigar a história da minha família, saberá o quanto ela sempre valorizou o trabalhador. Esse governo que está aí não tem qualquer consideração pelas pessoas que construíram e constroem esse país, basta ver o que tem sido aprovado nas reformas previdenciárias e trabalhistas.

Procurado, o Instituto Lula disse que não vai comentar a doação. Fonte: https://oglobo.globo.com

Apesar de Crivella ter se apresentado na campanha eleitoral como bispo licenciado, não foram poucos os momentos em que a agenda religiosa de pastor da Igreja Universal se confundiu com a de prefeito do Rio. O EXTRA lista alguns exemplos:

1 - Em novembro, no primeiro dia da transição, Crivella deixou a Firjan, local das reuniões, no início da tarde. Foi à Catedral da Fé, templo da Igreja Universal do Reino de Deus, mostrar a maquete de Jerusalém Antiga para o presidente da Agência Judaica para Israel, o ucraniano Natan Sharansky.

2 - Em vez de se concentrar nos trabalhos de transição, Crivella viajou para Israel, onde rezou no Muro das Lamentações. Lá também se encontrou com o prefeito de Jerusalém, que dias antes havia recebido o tio dele, Bispo Edir Macedo.

3 - Crivella se recusou a entregar as chaves da cidade para o Rei Momo e nem sequer apareceu na Sapucaí na festa mais importante da cidade.

4 - Em uma viagem oficial à Rússia, encontrou-se com o representante local da Igreja Universal do Reino de Deus.

5 - Crivella acompanhou um evento da Universal no Méier com a presença do Bispo Macedo. Era em comemoração aos 40 anos da igreja. Por conta disso, atrasou em mais de uma hora a chegada a um compromisso oficial na Rocinha.

6 — Numa viagem particular à África do Sul, participou de um evento da Igreja Universal num estádio de futebol.

7 — O prefeito (ou bispo) foi ao Senado cantar “Perfume Universal” numa sessão comemorativa aos 40 anos de fundação da Igreja Universal.

Discurso religioso na Guarda

Nas reuniões de trabalho, orações. Agentes da corporação afirmaram, ontem, ao EXTRA que o comando tem adotado discurso religioso na Guarda Municipal. As reclamações surgem após o polêmico censo da fé aplicado aos funcionários. Em nota, a assessoria do prefeito Marcelo Crivella disse que o censo partiu do comando da Guarda, “sem que o prefeito fosse informado ou dela participasse”, e que a prefeitura não tem religião (confira a íntegra da nota abaixo). Não é o que contam servidores.

— A gente tem visto é um discurso cada vez mais religioso da nossa comandante (Tatiana Mendes, que é evangélica). Ela fala, por exemplo, que nossa maior arma é a palavra de Deus. Sou evangélico, mas não concordo em misturar religião com assuntos da Guarda — disse o agente de 33 anos, que preferiu não se identificar.

Outro guarda que está no posto há seis anos disse que na segunda-feira sua chefia passou o questionário para que todos respondessem antes de ir para seus postos:

— Coloquei só que era cristã, e um chefe perguntou: “Mas qual denominação você frequenta”. Eu disse que não responderia e perguntei de quem era essa ideia, e ele respondeu: “Veio de cima”.

O censo também foi criticado por ter oferecido só três opções de religião (católica, evangélica e espírita) e “outros”. A Guarda Municipal informou que não tinha como colocar todas as religiões no formulário e que o objetivo da pesquisa é construir uma capela ecumênica.

Na tarde da última quinta-feira, a juíza Ana Cecilia de Almeida, 6ª Vara de Fazenda Pública, deu cinco dias para a prefeitura se explicar sobre o censo. A decisão foi tomada em pedido de liminar para suspender a pesquisa feito pelo advogado Victor Travancas. O Ministério Público declarou que vai investigar o caso.

Segundo a Guarda, o censo foi feito porque o órgão pretende criar um serviço ecumênico de capelania. O órgão afirma vai manter o censo e retirar do formulário a obrigatoriedade de preencher o nome.

Nota do prefeito

“A Prefeitura esclarece que não procede a informação de que o censo que está sendo realizado pela Guarda Municipal tenha o objetivo de constranger seguidores de qualquer crença. A iniciativa em curso partiu do comando da própria Guarda, sem que o prefeito fosse informado ou dela participasse. Tem por objetivo obter informações que embasem o projeto de uma capelania destinada a prestar assistência religiosa a todos os integrantes da corporação. Além disso, o preenchimento do formulário é voluntário. Vale lembrar que a comandante da corporação tem entre seus principais assessores diretos praticantes do Catolicismo e da Umbanda. O prefeito não esconde sua fé, mas a Prefeitura não tem religião. Ilações como as feitas ontem pelo Extra em sua primeira página, na visão da Prefeitura, reforçam o preconceito religioso”, informou a prefeitura. Fonte: https://extra.globo.com

Em meio aos vários rachas no PSDB, aliados de João Doria querem que o prefeito de São Paulo estimule a ideia de uma chapa presidencial em 2018 com ele na cabeça e o prefeito de Salvador, ACM Neto, como candidato a vice.

Ao Blog, tucanos paulistas disseram que, com a fórmula, o PSDB daria papel de destaque ao DEM na eleição de 2018. E o nome de ACM Neto, de acordo com esses dirigentes, ajudaria o PSDB a conseguir inserção no Nordeste.

Não à toa, Doria foi a Salvador na segunda-feira (7) para um evento com ACM Neto. Neste cenário de dobradinha Doria e ACM Neto, tucanos da ala Doria defendem que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), seja candidato ao governo do Rio.

No entanto, dentro do DEM e também por tucanos do grupo do governador Geraldo Alckmin, Maia é visto como nome para vice em uma chapa com o PSDB em 2018. Mas, aqui, com Alckmin na cabeça de chapa.

Maia se tornou um dos principais nomes do DEM após se eleger presidente da Câmara. Também se fortaleceu junto à base aliada após a condução do processo da denúncia contra Michel Temer.

Esses partidos da base avaliam que Maia foi leal ao presidente mesmo diante da perspectiva de ocupar o gabinete presidencial se Temer caísse. Doria, quando consultado por aliados sobre essas movimentações, repete Geraldo Alckmin: diz que ainda é cedo para discutir o assunto. Mas sabe que, antes de qualquer costura para fora – como o apoio do DEM – precisa convencer o governador de São Paulo a apoiar sua candidatura.

Se não conseguir, Doria pode ter de mudar de partido. Pelo menos três legendas já disseram ao prefeito que, se ele quiser, as portas estão abertas. Fonte: http://g1.globo.com

 

Questionário pergunta sobre religião de agentes. Alguns servidores se disseram constrangidos com a ação.

A Prefeitura do Rio está fazendo um censo religioso na Guarda Municipal. O comando da corporação quer saber a religião de cada um dos servidores e, pra isso, distruibuiu um questionário. A iniciativa está causando polêmica.

O formulário, demanda do Comando da Guarda Municipal, tem três perguntas. A primeira, se a pessoa professa alguma religião. Se sim, há a opção de responder se é católico, evangélico, espírita ou outra. Há ainda um campo para informar se a pessoa é praticante ou não da religião. Por fim, o agente pode se identificar preenchendo o formulário com nome, matrícula e unidade.

Diante da situação, alguns servidores se disseram constrangidos e denunciaram a obrigatoriedade de preenchimento do formulário. A polêmica, revelada nesta quarta-feira (9) pelo jornal O Dia, levou o deputado Átila Nunes, do PMDB, a entrar com um pedido de suspensão do formulário ao Ministério Público, alegando que a ação fere um direito constitucional.

“Isso é um absurdo. Estão violando, antes de mais nada, a intimidade de cada um, você não pode perguntar, por exemplo, a orientação sexual. Isso é uma violência que nunca aconteceu no serviço público.”, se posicionou o deputado.

Em contrapartida, a comandante da Guarda Municipal, inspetora Tatiana Mendes, esclareceu que o objetivo é criar uma assistência religiosa aos servidores e que eles não são obrigados a se identificar. Ela disse que após o censo, o intuito seria processar os dados para se criar uma capelania.

Na visão da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio, o censo proposto pela Guarda Municpal limita e constrange os profissionais e erra em não incluir outras religiões como a Umbanda e o Candomblé, ambas consideradas patromônio imaterial da cidade do Rio. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, é bispo licenciado da Igreja Universal. Fonte: http://g1.globo.com

BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE! Depois dos ovos na cara do Doria, o que dizer do "Silêncio das ruas? O povo não aguenta mais... 

Prefeito de São Paulo foi alvo de protestos ao chegar na Câmara Municipal de Salvador. Tucano estava na Bahia para receber título de cidadão soteropolitano

Salvador - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), foi atingido na cabeça por um ovo durante uma manifestação na noite desta segunda, em Salvador. Doria viajou no fim da tarde para a capital baiana, onde recebeu o título de cidadão soteropolitano. Quando chegava à Câmara Municipal da cidade, o tucano e o prefeito ACM Neto (DEM) foram alvo de manifestantes.

Nas imagens de vídeos que circulam nas redes sociais, é possível ver o momento no qual um dos ovos atirados na direção dos políticos acerta a cabeça do prefeito paulistano. O vídeo rapidamente viralizou nas redes.

Em vídeo publicado na sua página no Facebook, ainda sob gritos de protestos ao fundo, Doria afirmou que foi vítima de um ato de "poucos manifestantes de esquerda, agressivos, falando palavrões e jogando ovos, buscando a intolerância". "Esse é o caminho do Lula, do PT, das esquerdas, que querem isso. A intransigência, a agressividade, a tentativa de amedrontar e intimidar. A mim, não intimidam, estou aqui pra receber o título e vou receber ao lado do prefeito de Salvador", disse. 

O prefeito termina o vídeo com uma provocação: "Vá para a Venezuela, os esquerdistas que querem o mal do Brasil".  Pela manhã o tucano participou de cerimônia na Prefeitura de São Paulo com Temer. Ambos assinaram um acordo que prevê a concessão de parte do Campo de Marte ao Município.

A disputa judicial em torno da área se arrastava desde 1958. Doria recebeu elogios do presidente por sua "visão nacional". Fonte: http://odia.ig.com.br

“Não há ninguém nas ruas porque a esquerda brasileira entrou em colapso. Presa entre a tentativa de ressuscitar o que morreu e a incapacidade de encontrar outra forma de incorporação genérica de sua multiplicidade de demandas em um ator político unificado, ela encontra-se paralisada e sem capacidade de dizer claramente o que quer, qual seu horizonte”, escreve Vladimir Safatle, professor de Filosofia, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 04-08-2017.

Eis o artigo.

Há algo de instrutivo no ritual que o Congresso Nacional ofereceu ao país na última quarta-feira, quando um ocupante do cargo da Presidência, gravado em situação flagrante de prevaricação e corrupção passiva, formalmente denunciado pela Procuradoria Geral da União, foi poupado.

É difícil imaginar algum país no mundo que chegaria a um espetáculo tamanho de degradação comandado por uma casta de políticos dignos de filmes de gângsteres série B. Ao menos, depois dessa confissão de desprezo oligárquico pela opinião pública, quem sabe agora parem de falar que estamos em uma "democracia".

Enquanto o país assiste a universidades públicas suspenderem as aulas por se encontrarem em situação falimentar, serviços públicos entrarem em deterioração, agências de pesquisa decretarem estado de calamidade e 3,6 milhões de pessoas saírem da classe média baixa em direção à pobreza, o ocupante do trono da Presidência, único presidente da história brasileira a ser denunciado pela Justiça no cargo, gastava milhões de reais em suborno explícito de deputados, uso de cargos públicos para aliciamento de votos e liberação de emendas escusas a fim de garantir sua sobrevida.

Ou seja, bem-vindos a uma cleptocracia que agora não faz nem sequer questão de conservar as aparências. Há algo de terminal quando até mesmo as aparências já não são mais conservadas. Tudo isso com o beneplácito daqueles que dizem que o país precisa, afinal, de "estabilidade".

Com se vê, há algo de muito interessante no conceito de "estabilidade" que circula atualmente. Uma estabilidade da pauperização, da precarização do emprego, do desmonte dos serviços públicos e da redução final da república brasileira a uma farsa macabra.

Contra isso, há aqueles que falam que receberam uma "herança maldita" do governo anterior. Alguém deveria explicar essa repetição compulsiva que nos acomete. Vivemos em um país onde todo governo usa o expediente de culpar a herança maldita do anterior para mascarar sua própria impotência. O cômico é que eles sempre encontram alguém a continuar a vociferar a mesma estratégia surrada de sempre.

Mas o que pode realmente impressionar alguns é o silêncio com que este momento foi recebido por setores da sociedade brasileira ou, antes, os expedientes que vemos para justificar a passividade. Por que as ruas não queimam, perguntam?

Ao menos três fatores deveriam ser levados em conta aqui.

Primeiro, porque estamos falando de um governo que atira em manifestantes em toda impunidade, como vimos na última manifestação de greve na Esplanada dos Ministérios. Ele usa seu braço armado para cegar estudantes com bala de borracha, atemorizar a população nas ruas com sua polícia gestora da desordem, ameaçar com punições os que entram em greve e ridicularizar o fato de 35 milhões de pessoas pararem o país (como na última greve geral). Ou seja, boa parte das pessoas não sai às ruas porque elas têm medo da violência do Estado, já que elas tacitamente sabem que não têm mais garantias alguma de integridade.

Segundo, porque há um setor da sociedade brasileira que nunca teve problemas com corrupção, mesmo que tenham saído às ruas em 2015 falando o contrário. Eles sempre votaram em corruptos notórios e continuarão fazendo isto. O único problema deles era com o governo anterior. Derrubado o governo, todos eles voltaram para casa e continuarão lá para todo o sempre.

Por fim, não há ninguém nas ruas porque a esquerda brasileira entrou em colapso. Presa entre a tentativa de ressuscitar o que morreu e a incapacidade de encontrar outra forma de incorporação genérica de sua multiplicidade de demandas em um ator político unificado, ela encontra-se paralisada e sem capacidade de dizer claramente o que quer, qual seu horizonte.

Queremos simplesmente retornar ao passado recente, conservar o que está sendo desmontado, ou temos algo a mais a propor? Conseguiremos fazer a maioria da população brasileira sonhar e acreditar em sua própria força de transformação e luta ou empurraremos todos a um horizonte desinflacionado de mudanças, como se isso fosse a expressão de um realismo duro, porém pretensamente necessário? Sem clareza acerca desses pontos, ninguém avançará um passo. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br