O caso recente de um padre italiano convidado a deixar a sua paróquia em decorrência de comentários francos contra o Papa Francisco e suas práticas não convencionais chama a atenção para a atual polarização entre alguns grupos de dentro da Igreja bem como para o poder das mídias sociais de amplificar e fomentar tal polarização. A reportagem é de Claire Giangravè, publicada por Crux, 17-11-2017. A tradução é deIsaque Gomes Correa.

Divisões não são novidade no Vaticano, mas a reforma e a abertura do Papa Francisco em mudar têm gerado uma forte reação negativa. O seu documento sobre a família, Amoris Laetitia, que cautelosamente abre a possibilidade de os fiéis divorciados e recasados comungarem, foi recebido com críticas. No começo de novembro, um assessor teológico da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA, Thomas Weinandy, publicou uma carta em que acusava o papa de causar uma “confusão crônica” na Igreja.

A mais recente demonstração pública de dissenção vem do próprio quintal do papa, mais precisamente da cidade de Palermo, ao sul da Itália, onde o Pe. Alessandro Minutellapublicou um vídeo nas mídias sociais em que se recusa a jurar lealdade ao papa conforme solicitado pelo seu bispo.


A primeira advertência em Monreale

Minutella já tinha entrado em apuros na Arquidiocese de Monreale – cidade a poucos quilômetros de distância de Palermo, na Sicília. Em 2015, o arcebispo de Monreale, Dom Michele Pennisi, disciplinou-o por causa dos seus comentários contra o papa, e por haver alegado falar em nome da Virgem Maria.

As práticas estranhas do padre e o fato de se apresentar como um profeta levaram a arquidiocese a condenar as suas funções como “contrárias à vontade da Igreja” e destinadas a “manipular as consciências”.

Minutella chegou até mesmo a criar uma ordem de freiras sem autorização, e alegou que ele e seus seguidores cavaram um poço de água milagrosa. Na época, Pennisi advertiu os fiéis de que todo aquele que “apoiar as suas atividades e colaborar com ele [Minutella] “corre um risco grave quanto à segurança de sua alma”.


Minutella é mandado embora de sua paróquia

Em sua nova paróquia em San Giovanni Bosco, em Palermo, o padre continuou a falar o que pensa e alegou se comunicar com São José, Maria e o arcanjo Miguel, atraindo grandes multidões para as suas missas, onde declarava a intenção de defender a Igreja de heresias.
Em seus perfis nas mídias sociais, Minutella disse que o seu objetivo era se pôr contra a “impostura da falsa Igreja” do Papa Francisco.

Este momento foi a gota d’água para que o arcebispo de Palermo, Dom Corrado Lorefice, em carta datada de 1º de abril, pedisse a Minutella para se retirar da função de pároco e não mais postar nas mídias sociais ou falar aos jornalistas.

“As suas declarações recentes nas redes sociais, que alcançaram além dos confins da nossa diocese, provocaram uma quantidade substancial de confusão e escândalo no santo povo de Deus”, escreveu o arcebispo. “É de domínio público que tanto com suas palavras como com seus atos o senhor, até este momento, não hesitou em assumir uma postura de forte dissenção e clara oposição para com a hierarquia católica com o seu chefe, o atual pontífice romano bem como para com o seu bispo ”.

Minutella reagiu com indignação, prometendo a seu rebanho a intenção de não deixar a paróquia e convidando os fiéis a orar pelo Papa Emérito Bento XVI. Ele até mesmo chamou os fiéis a se encontrarem em Verona, no dia 22 de abril, para “resistir” ao atual pontificado e a defender a “verdadeira Igreja”.


A missa das mídias sociais

Apesar da interdição feita pelo arcebispo, o padre recorreu às redes sociais a fim de manifestar a sua dissenção com a decisão. Em uma “missa show” postada ao vivo no Facebook, o religioso criticou o bispo e a Igreja. “Vamos ir aos porões e às catacumbas”, disse no púlpito. “Sou o primeiro padre condenado, mas também o primeiro a desejar reagir. Não temo as manobras deles, e acho que elas não são suficientes”.

Muitos demonstraram solidariedade para com Minutella, inclusive o conselho paroquial, que organizou uma vigília orante para ele. Jornais locais documentaram a reação nos bancos das igrejas, com alguns descrevendo as suas palavras como “um pouco limitadas, um pouco excessivas”, enquanto outros elogiaram os comentários feitos pelo padre e expressaram a preocupação crescente com uma Igreja que, acreditam, está “se aproximando do luteranismo, talvez um pouco perto demais”.

Um repórter local conseguiu parar o padre e entrevistá-lo assim que deixava uma missa. “Quem sou eu para ameaçar com um cisma? Percebo que existe um cisma possível já acontecendo dentro da Igreja”, respondeu Minutella. “Acho que chegou a hora de esclarecermos e reafirmar os valores tradicionais. Vemos uma deriva em direção ao luteranismo”.


Minutella se recusa a declarar lealdade ao Papa Francisco

Meses de silêncio se seguiram à missa das mídias sociais que abalou Palermo. No dia 21 de setembro, Minutella, tendo peticionado à Congregação para o Clero, no Vaticano, enviou uma carta ao arcebispo, mais uma vez expressando o seu ponto de vista e as razões que motivavam o seu protesto. Na missiva, o padre professava obediência ao pontífice romano, embora sem especificar o nome do papa.

Lorefice respondeu-lhe que sua petição havia sido adiada e que o religioso precisava fazer uma declaração pública de lealdade a Francisco nas mídias sociais. Em resposta, Minutella publicou um vídeo de 20 minutos na página da Radio Domina Nostra, no Facebook, no dia 10 de novembro, onde se recusou a jurar lealdade ao papa, classificando a solicitação como uma “chantagem” e pedindo que Francisco explique o seu pensamento sobre a Comunhão aos divorciados e recasados.

No vídeo, o padre também diz que não está mais em comunhão eclesial com a Igreja. “A estranha hierarquia da assim-chamada Igreja da Misericórdia ataca aqueles que não se conformam, põe na guilhotina os que não concordam com suas crenças”, disse o padre.

O Papa Francisco falou sobre Amoris Laetitia com os bispos italianos

Um dia depois do discurso de Minutella gravado em vídeo, Francisco falou a respeito de Amoris Laetitia em um vídeo endereçado a um congresso organizado pelos bispos italianos sobre o tema.

“O mundo contemporâneo corre o risco de confundir a primazia da consciência, que se deve respeitar sempre, com a autonomia exclusiva do indivíduo no que se refere às relações que vive”, advertiu o papa em 11 de novembro. “Esta perspectiva não é inócua: ela plasma um sujeito que se contempla continuamente ao espelho, a ponto de se tornar incapaz de dirigir o olhar para os outros e para o mundo […] Por outro lado, sabemos bem que ‘somos chamados a formar as consciências, não a pretender substituí-las’”, concluiu.

Mídias sociais: uma ferramenta ponderosa, uma arma poderosa

Além de trazer a atenção para as atuais tensões e divisões dentro da Igreja Católica, os eventos em torno de Minutella também salientam o poder que as mídias sociais têm para amplificar e mesmo promover a divisão.

“Como qualquer outro meio de comunicação, [as mídias sociais] são uma ferramenta que podem ser usadas para aproximar as pessoas ou podem ser usadas, infelizmente, para aquilo que chamo de meios destrutivos”, disse em entrevista ao Crux Helen Osman, presidenta da Associação Católica Mundial para a Comunicação – SIGNIS.

“Um dos melhores atributos das mídias sociais é a sua capacidade de permitir que as pessoas dialoguem”, disse ela, apontando para o fato de que a internet pode ser uma ferramenta poderosa para a evangelização e a catequese. “Usá-la como um megafone para quaisquer propósitos não é usá-la de acordo com a sua natureza natural, orgânica”.

Em relação às suas experiências com padres que têm usado as mídias sociais para se envolver e participar com os membros das paróquias e comunidades, Osman falou existirem possibilidades deste meio que vão além do desejo de expressar a opinião pessoal do indivíduo. “Não tenho certeza de que os padres deveriam necessariamente estar usando as mídias sociais para promover uma agenda particular deles”, disse. “Talvez eles devam usá-las para ouvir os paroquianos e as pessoas que se encontram imediatamente sob os seus cuidados pastorais”.
Osman igualmente enfatizou a necessidade atual de formar e educar para as mídias sociais, uma formação não apenas para o clero, mas também para os leigos e, especialmente, os pais. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

(22/11/2017) “Quando nos encontramos com os outros, levamos a eles o fogo da caridade ou permanecemos fechados a nos aquecer diante da nossa lareira?” Este o tweet lançado pelo Papa Francisco nesta quarta-feira 22 de novembro, dia da habitual audiência geral da semana, momento em que o Papa partilhou com os presentes na Praça de São Pedro e com quantos o ouviam através dos meios de comunicação, mais uma catequese sobre o significado da Missa.

Depois de ter explicado a semana passada que a Missa é a oração por excelência, hoje Francisco disse que a Missa é essencialmente o “memorial do Mistério pascal de Cristo”. Através da Missa nos tornamos partícipes da sua vitória sobre o pecado e a morte. A Missa dá, portanto, significado pleno à nossa vida. No seu significado bíblico, memorial – explicou o Papa – não é apenas a recordação de um acontecimento passado, mas torna presente e actual aquilo que se passou há 20 séculos. Assim, ao celebrar a Eucaristia reavivamos a ressurreição de Cristo, e isto nos leva ao ponto mais alto da ação salvífica de Deus.

“Cada celebração da Eucaristia é um raio daquele sol sem ocaso que é Jesus Cristo ressuscitado. Participar na Missa, especialmente aos domingos, significa entrar na vitória do Ressuscitado, ser iluminados pela sua luz, aquecidos pelo seu calor. Através da celebração da Eucaristia o Espírito Santo nos torna participes da vida divina que é capaz de transfigurar todo o nosso ser mortal. E na sua passagem da morte à vida, do tempo à eternidade, o Senhor Jesus arrasta-nos com Ele para a sua Páscoa. Na Missa faz-se Páscoa. Nós na Missa, estamos com Jesus, morto e ressuscitado e Ele nos puxa para a frente, para a vida eterna. Na Missa nos unimos a Ele. Aliás, Cristo vive em nós e nós vivemos n’Ele.”

Com efeito - continuou Francisco-  com o seu sangue Cristo nos liberta da morte, do medo da morte, da morte física e da morte espiritual que é o mal, o pecado, que toma conta de nós de cada vez que caímos vítima dos nossos pecados e dos pecados dos outros, e a nossa vida perde todo o seu brilho.

“Cristo, pelo contrário nos redá a vida; Cristo é a plenitude da vida, e quando enfrentou a morte, eliminou-a para sempre: “Ressurgindo destruiu a morte e renovou a vida” (…). A Páscoa de Cristo é a vitória definitiva sobre a morte, porque Ele transformou a sua morte em supremo ato de amor. Morreu por amor. E na Eucaristia Ele quer comunicar-nos este seu amor pascal, vitorioso. Se o recebermos com fé, nós também podemos amar verdadeiramente a Deus e ao próximo, podemos amar como Ele nos amou, dando a vida”.

Se o amor de Cristo está em mim – disse ainda o Papa -  posso dar-me plenamente aos outros, com a certeza íntima de que, mesmo se o outro me ferir de morte, não morrerei. Se não estivesse certo disto, deveria defender-me. E o Papa indicou o exemplo dos mártires que deram a vida precisamente porque tinham a certeza da vitória de Cristo sobre a morte. Somente se experimentarmos este poder de Cristo, o poder do seu amor, é que somos verdadeiramente livres para nos dar sem medo aos outros. A Missa é isto: entrar na paixão , morte e ressurreição de Cristo. E aqui o Papa convidou os presentes a imaginarem ir para o Calvário e saber que aquele homem que está ali é Jesus:

“Mas nós nos permitiríamos de conversar, de tirar fotografias, de fazer um pouco de espetáculo?  Não!  Porque é Jesus. Estaremos seguramente em silêncio, no pranto e também na alegria de ser salvos. Quando entramos na igreja para celebrar a Missa pensemos nisto: entro no calvário, onde Jesus dá a sua vida por mim. E assim desaparece o espetáculo, desaparece a conversa, os comentários e essas coisas que nos afastam desta coisa tão bela que é a Missa, o triunfo de Jesus”.

E o Papa rematou dizendo que a Páscoa se faz presente e operante todas as vezes que celebramos a Missa no sentido de memorial.  “A Missa é repercorrer o calvário, não é um espetáculo” 

Para além do italiano, a catequese do Papa foi resumida pelos seus auxiliares em 7 línguas (francês, inglês, alemão, espanhol, português, polaco, árabe) seguidas de saudações aos grupos de peregrinos dessas línguas. Eis a tradução da saudação do Papa aos de língua portuguesa:

“Amados peregrinos de língua portuguesa, cordiais saudações a todos vós, de modo particular ao grupo de Nova Suíça, Belo Horizonte: convido-vos a olhar com confiança o vosso futuro em Deus, levando o fogo do seu amor ao mundo. É a graça da Páscoa que frutifica na Eucaristia e que desejo abundante nas vossas vidas, famílias e comunidades. De bom grado abençoo a vós e aos vossos entes queridos!”

O Papa saudou também diversos grupos da Itália na língua do país, e recordou que hoje se celebra a memória de Santa Cecília recomendando de modo particular aos recém-casados que não faltam nas audiências das quartas-feiras, a terem o mesmo olhar de amor puro que teve Santa Cecília, para aprender a amar incondicionalmente.

“E rezemos, todos a Santa Cecília para que nos ensine a cantar com o coração, para que nos ensine o júbilo de ser salvos. Obrigada. “ Fonte: http://br.radiovaticana.va

Frei Carlos Mesters, O. Carm

(Ano Litúrgico-A. Quinta-feira, dia 23)

Oração

Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa, servindo a vós, o criador de todas as coisas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura do Evangelho (Lucas 19, 41-44)

Naquele tempo, 41Aproximando-se ainda mais, Jesus contemplou Jerusalém e chorou sobre ela, dizendo: 42Oh! Se também tu, ao menos neste dia que te é dado, conhecesses o que te pode trazer a paz!... Mas não, isso está oculto aos teus olhos. 43Virão sobre ti dias em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, te sitiarão e te apertarão de todos os lados; 44destruir-te-ão a ti e a teus filhos que estiverem dentro de ti, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não conheceste o tempo em que foste visitada. - Palavra da salvação.

Reflexão

*  O evangelho de hoje informa como Jesus, chegando perto de Jerusalém, ao ver a cidade, começou a chorar e pronunciou palavras que faziam ver um futuro muito sombrio para a cidade, capital do seu povo.

*  Lucas 19,41-42 Jesus chora sobre Jerusalém

“Jesus se aproximou, e quando viu a cidade, começou a chorar. E disse: "Se também você compreendesse hoje o caminho da paz! Agora, porém, isso está escondido aos seus olhos!”. Jesus chora, pois ama a sua pátria, o seu povo, a capital da sua terra, o Templo. Chora, porque sabe que tudo vai ser destruído por culpa do próprio povo que não soube perceber nem avaliar o apelo de Deus dentro dos fatos. O povo não percebeu o caminho que pudesse levar à Paz, Shalôm. Agora, porém, isso está escondido aos seus olhos!  Esta afirmação evoca a crítica de Isaías à pessoa que adorava ídolos: “Esse homem se alimenta de cinza. Sua mente enganada o iludiu, de modo que ele não consegue salvar a própria vida e nem é capaz de dizer: Não será mentira isso que tenho nas mãos?" (Is 44,20). A mentira estava nos olhos deles e, por isso, tornaram-se incapazes de perceber a verdade. Como diz São Paulo: “Eles se revoltam e rejeitam a verdade, para obedecerem à injustiça” (Rm 2,8). A verdade ficou prisioneira da injustiça. Numa outra ocasião, Jesus lamentou que Jerusalém não soube perceber nem acolher a visita de Deus: "Jerusalém, Jerusalém, você que mata os profetas e apedreja os que lhe foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir seus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas você não quis! Eis que a casa de vocês ficará abandonada” (Lc 13,34-35).

*  Lucas 19,43-44 Anúncio da destruição de Jerusalém.

“Vão chegar dias em que os inimigos farão trincheiras contra você, a cercarão e apertarão de todos os lados. Eles esmagarão você e seus filhos, e não deixarão em você pedra sobre pedra. ". Jesus descreve o futuro que vai acontecer com a Jerusalém. Usa as imagens de guerra que eram comuns naquele tempo quando um exército atacava uma cidade: trincheiras, cerco fechado ao redor, matança do povo e destruição total das muralhas e das casas. Assim, no passado, Jerusalém foi destruída por Nabucodonosor. Assim, as legiões romanas costumavam fazer com as cidades rebeldes e assim seria feito novamente, quarenta anos depois, com a própria cidade de Jerusalém. De fato, no ano 70, Jerusalém foi cercada e invadida pelos exércitos romanos. Tudo foi destruído. Diante deste pano de fundo histórico, o gesto de Jesus se torna uma advertência muito séria a todos que pervertem o sentido da Boa Nova de Deus. Eles devem ouvir a advertência final: “Porque você não reconheceu o tempo em que Deus veio para visitá-la”. Nesta advertência, todo o trabalho de Jesus é definido como uma “visita de Deus”

Para um confronto pessoal

1) Você chora sobre a situação do mundo? Olhando a situação do mundo, será que Jesus iria chorar? A previsão é sombria. Do ponto de vista da ecologia, já passamos do limite. A previsão é trágica.

2) O trabalho de Jesus é visto como uma visita de Deus. Você já recebeu alguma visita de Deus em sua vida?

Oração final

Cantai ao Senhor um cântico novo;

ressoe seu louvor na assembleia dos fiéis.

Alegre-se Israel no seu Criador,

exultem no seu rei os filhos de Sião. (Sl 149, 1-2)

O Papa Francisco erigiu nessa quarta-feira, 22 de novembro, uma nova diocese no Brasil, a de Cruz das Almas (BA). No mesmo ato, Francisco nomeou como primeiro bispo da nova Igreja particular o atual bispo auxiliar de Olinda e Recife (PE), dom Antônio Tourinho Neto.

A nova diocese nasce a partir do desmembramento do território da Arquidiocese de Salvador (BA) e vai abranger os municípios de Cabaceira do Paraguaçu, Cachoeira, Cruz das Almas, Governador Mangabeira, Maragogipe, Muritiba, Santo Amaro, São Félix, Sapeaçu e Saubara.

A sede da nova Igreja particular que fará parte do regional Nordeste 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está a cerca de 140 quilômetros de Salvador (BA).

Novo Bispo 

Natural de Jequié na Bahia, dom Antônio, foi nomeado bispo auxiliar de Olinda e Recife (PE) em 2014, pelo papa Francisco. Desde janeiro de 2015 ajuda dom Fernando Saburido a administrar a arquidiocese que é formada por 19 municípios, além do Arquipélago de Fernando de Noronha. A região eclesiástica tem 115 paróquias e uma população estimada em quatro milhões de habitantes.

Nascido em 9 de janeiro de 1964, em Jequié (BA), foi ordenado presbítero em 20 de janeiro de 1990.É formado em Ciências Contábeis e Psicanálise pela Sociedade Psicanalista do Estado da Bahia (SPEB). Aos 18 anos, ingressou no Seminário Central da Bahia onde obteve o título de bacharel em Filosofia. No Seminário de São José no Rio de Janeiro, cursou Teologia. Possui pós-graduação em Direito Canônico pelo Pontifício Instituto Superior de Direito Canônico do Rio de Janeiro.

Saudação

Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, enviou na manhã desta quarta-feira, dia 22 de novembro, mensagem de saudação a dom Antônio Tourinho Neto que assume a recém-criada diocese de Cruz das Almas (BA).

No texto, dom Leonardo lembra palavras do Santo Padre proferidas durante a ordenação episcopal em Roma: “Vigia, vigia com amor sobre toda a grei, na qual o Espírito Santo te insere para reger a Igreja de Deus”.

Leia a Mensagem:

Saudação da CNBB a Dom Antônio Tourinho Neto

Brasília, 21 de novembro de 2017

Prezado Irmão, Dom Antônio Tourinho Neto,

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) manifesta alegria por sua nomeação como primeiro bispo da recém-criada diocese de Cruz das Almas (BA). E renova também o agradecimento ao Papa Francisco que envia pastores para nossas comunidades.

Após um período de trabalho de ajuda a dom Fernando Saburido, na Arquidiocese de Olinda e Recife (PE), a igreja lhe pede para mover-se em outra direção. Permanecendo no seu nordeste, agora a missão se apresenta com fisionomia de uma Igreja Particular. Um desafio à altura de sua capacidade de servir ao Reino.

Para celebrar sua nomeação, recorremos às palavras do papa Francisco pronunciadas na homilia de uma ordenação episcopal, em Roma: “Vigia, vigia com amor sobre toda a grei, na qual o Espírito Santo te insere para reger a Igreja de Deus. Vigia, não adormeças, vigia, sê uma sentinela, e que o Senhor te acompanhe, que Ele te acompanhe nesta vigilância que hoje te confio em nome do Pai, cuja imagem tu tornas presente; em nome do seu Filho Jesus Cristo, pelo qual foste constituído mestre, sacerdote e pastor; e em nome do Espírito Santo, que dá vida à Igreja e, com o seu poder, sustenta a nossa debilidade”.

Conte com nossas orações e desejo de, que seu pastoreio, em Cruz das Almas, seja pleno de bons frutos.

Em Cristo,

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília (DF)
Secretário-Geral da CNBB

Fonte: http://cnbb.net.br

Frei Carlos Mesters, O. Carm

(Ano Litúrgico-A. Quarta-feira, dia 22)

Oração

Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa, servindo a vós, o criador de todas as coisas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura do Evangelho (Lucas 19, 11-28)

Naquele tempo, 11Ouviam-no falar. E como estava perto de Jerusalém, alguns se persuadiam de que o Reino de Deus se havia de manifestar brevemente; ele acrescentou esta parábola: 12Um homem ilustre foi para um país distante, a fim de ser investido da realeza e depois regressar. 13Chamou dez dos seus servos e deu-lhes dez minas, dizendo-lhes: Negociai até eu voltar. 14Mas os homens daquela região odiavam-no e enviaram atrás dele embaixadores, para protestarem: Não queremos que ele reine sobre nós. 15Quando, investido da dignidade real, voltou, mandou chamar os servos a quem confiara o dinheiro, a fim de saber quanto cada um tinha lucrado. 16Veio o primeiro: Senhor, a tua mina rendeu dez outras minas. 17Ele lhe disse: Muito bem, servo bom; porque foste fiel nas coisas pequenas, receberás o governo de dez cidades. 18Veio o segundo: Senhor, a tua mina rendeu cinco outras minas. 19Disse a este: Sê também tu governador de cinco cidades. 20Veio também o outro: Senhor, aqui tens a tua mina, que guardei embrulhada num lenço; 21pois tive medo de ti, por seres homem rigoroso, que tiras o que não puseste e ceifas o que não semeaste. 22Replicou-lhe ele: Servo mau, pelas tuas palavras te julgo. Sabias que sou rigoroso, que tiro o que não depositei e ceifo o que não semeei... 23Por que, pois, não puseste o meu dinheiro num banco? Na minha volta, eu o teria retirado com juros. 24E disse aos que estavam presentes: Tirai-lhe a mina, e dai-a ao que tem dez minas. 25Replicaram-lhe: Senhor, este já tem dez minas!... 26Eu vos declaro: a todo aquele que tiver, dar-se-lhe-á; mas, ao que não tiver, ser-lhe-á tirado até o que tem. 27Quanto aos que me odeiam, e que não me quiseram por rei, trazei-os e massacrai-os na minha presença. 28Depois destas palavras, Jesus os foi precedendo no caminho que sobe a Jerusalém. - Palavra da salvação.

Reflexão   Luca 19,11-28

*  O evangelho de hoje traz a Parábola dos Talentos, na qual Jesus fala dos dons que as pessoas recebem de Deus. Toda pessoa tem alguma qualidade, recebe algum dom ou sabe alguma coisa que ela pode ensinar aos outros. Ninguém é só aluno, ninguém é só professor. Aprendemos uns dos outros.

*  Lucas 19,11: A chave para entender a história da parábola

Para introduzir a parábola Lucas diz o seguinte: “Tendo eles ouvido isso, Jesus acrescentou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém, e eles pensavam que o Reino de Deus ia chegar logo”. Nesta informação inicial, Lucas destaca três motivações que levaram Jesus a contar a parábola: (1) A acolhida a ser dada aos excluídos, pois, dizendo “tendo eles ouvido isso”, ele se refere ao episódio de Zaqueu, o excluído, que foi acolhido por Jesus. (2) A proximidade da paixão, morte e ressurreição, pois dizia que Jesus estava perto de Jerusalém  onde seria preso e morto em breve. (3) A chegada iminente do Reino de Deus, pois as pessoas que acompanhavam Jesus pensavam que o Reino de Deus ia chegar logo.

*  Lucas 19,12-14: O início da Parábola

 “Um homem nobre partiu para um país distante a fim de ser coroado rei, e depois voltar. Chamou então dez dos seus empregados, entregou cem moedas de prata para cada um, e disse: 'Negociem até que eu volte”. Seus concidadãos, porém, o odiavam, e enviaram uma embaixada atrás dele, dizendo: 'Não queremos que esse homem reine sobre nós'. Alguns estudiosos acham que, nesta parábola, Jesus se refere a Herodes que, setenta anos antes (40 aC), tinha ido para Roma a fim de receber o título e o poder de Rei da Palestina. O povo não gostava de Herodes e não queria que ele se tornasse rei, pois a experiência que tiveram com ele como comandante para reprimir as rebeliões na Galileia contra Roma foi trágica e dolorosa. Por isso diziam: “Não queremos que esse homem reine sobre nós” Ao este mesmo Herodes se aplicaria a frase final da parábola: “E quanto a esses inimigos, que não queriam que eu reinasse sobre eles, tragam aqui, e matem na minha frente”.  De fato, Herodes matou muita gente.

*  Lucas 19,15-19: Prestação de conta dos primeiros empregados que receberam cem moedas de prata

A história informa ainda que Herodes recebeu a realeza e voltou para a Palestina para assumir o poder. Na parábola, o rei chamou os empregados aos quais tinha dado cem moedas de prata, a fim de saber quanto haviam lucrado. O primeiro chegou, e disse: 'Senhor, as cem moedas renderam dez vezes mais'.  O homem disse: 'Muito bem, empregado bom. Como você foi fiel em coisas pequenas, receba o governo de dez cidades'. O segundo chegou, e disse: 'Senhor, as cem moedas renderam cinco vezes mais'. O homem disse também a este: 'Receba também você o governo de cinco cidades”. De acordo com a história, tanto Herodes Magno como seu filho Herodes Antipas, ambos sabiam lidar com dinheiro e promover as pessoas que os ajudavam. Na parábola, o rei deu dez cidades ao empregado que multiplicou por dez as cem moedas que tinha recebido, e cinco cidades a quem as multiplicou por cinco.

*  Lucas 19,20-23: Prestação de conta do empregado que não lucrou nada

O terceiro empregado chegou e disse: 'Senhor, aqui estão as cem moedas que guardei num lenço. Pois eu tinha medo de ti, porque és um homem severo. Tomas o que não deste, e colhes o que não semeaste'. Nesta frase transparece uma ideia errada de Deus que é criticada por Jesus. O empregado vê Deus como um patrão severo. Diante de um Deus assim, o ser humano sente medo e se esconde atrás da observância exata e mesquinha da lei. Ele pensa que, agindo assim, não será castigado pela severidade do legislador. Na realidade, uma pessoa assim já não crê em Deus, mas crê apenas em si mesma, na sua própria observância da lei. Ela se fecha em si, desliga de Deus e já não consegue preocupar-se com os outros. Torna-se incapaz de crescer como pessoa livre. Esta imagem falsa de Deus isola o ser humano, mata a comunidade, acaba com a alegria e empobrece a vida. O rei responde: 'Empregado mau, eu julgo você pela sua própria boca. Você sabia que eu sou um homem severo, que tomo o que não dei, e colho o que não semeei. Então, por que você não depositou meu dinheiro no banco? Ao chegar, eu o retiraria com juros'. O empregado não foi coerente com a imagem que tinha de Deus. Se ele imaginava Deus tão severo, deveria ao menos ter colocado o dinheiro no banco. Ele é condenado não por Deus, mas pela ideia errada que tinha de Deus e que o deixou mais medroso e mais imaturo do que devia ser. Uma das coisas que mais influi na vida da gente é a ideia que nos fazemos de Deus. Entre os judeus da linha dos fariseus, alguns imaginavam Deus como um Juiz severo que os tratava de acordo com o mérito conquistado pelas observâncias. Isto produzia medo e impedia as pessoas de crescer. Sobretudo, impedia que elas abrissem um espaço dentro de si para acolher a nova experiência de Deus que Jesus comunicava.

*  Lucas 19,24-27: Conclusão para todos

“Depois disse aos que estavam aí presentes: Tirem dele as cem moedas, e deem para aquele que tem mil. Os presentes disseram: Senhor, esse já tem mil moedas! Ele respondeu: Eu digo a vocês: a todo aquele que já possui, será dado mais ainda. Mas daquele que nada tem, será tirado até mesmo o que tem”. O senhor mandou tirar dele as cem moedas e dar àquele que já tinha mil, pois “a todo aquele que já possui, será dado mais ainda. Mas daquele que nada tem, será tirado até mesmo o que tem. Nesta frase final está a chave que esclarece a parábola. No simbolismo da parábola, as moedas de prata do rei são os bens do Reino de Deus, isto é, tudo aquilo que faz a pessoa crescer e revela a presença de Deus: amor, serviço, partilha. Quem se fecha em si com medo de perder o pouco que tem, este vai perder até o pouco que tem. A pessoa, porém, que não pensa em si mas se doa aos outros, esta vai crescer e receber de volta, de maneira inesperada, tudo que entregou e muito mais: “cem vezes mais, com perseguições” (Mc 10,30). “Perde a vida quem quer segurá-la, ganha a vida quem tem coragem de perdê-la” (Lc 9,24; 17,33; Mt 10,39;16,25;Mc 8,35). O terceiro empregado teve medo e não fez nada. Não quis perder nada e, por isso, não ganhou nada. Perdeu até o pouco que tinha. O Reino é risco. Quem não quer correr risco, perde o Reino! 

*  Lucas 19,28: Voltando à tríplice chave inicial

No fim, Lucas encerra o assunto com esta informação: Depois de dizer essas coisas, Jesus partiu na frente deles, subindo para Jerusalém. Esta informação final evoca a tríplice chave dada no início: acolhida a ser dada aos excluídos, proximidade da paixão, morte e ressurreição de Jesus em Jerusalém e a ideia da chegada iminente do Reino. Aos que pensavam que o Reino de Deus estivesse para chegar, a parábola manda mudar os olhos. O Reino de Deus chega sim, mas através da morte e ressurreição de Jesus que vai acontecer em breve em Jerusalém. E o motivo da morte foi a acolhida que ele, Jesus, dava aos excluídos como Zaqueu e tantos outros. Incomodou os grandes e eles o eliminaram condenando-o à morte de cruz,

Para um confronto pessoal

1- Na nossa comunidade, procuramos conhecer e valorizar os dons de cada pessoa? Às vezes, os dons de uns geram inveja e competição nos outros. Como reagimos?

2- Nossa comunidade é um espaço, onde as pessoas podem desenvolver seus dons?

Oração final

Louvai a Deus no seu santuário,

louvai-o no firmamento do seu poder.

Louvai-o por suas grandes obras,

louvai-o pela sua imensa grandeza. (Sl 150, 1-2)

A Apresentação de Maria ao templo de Jerusalém é descrita apenas nos evangelhos apócrifos. O imperador Justiniano mandou construir junto desse templo uma basílica, Santa Maria a Nova, que foi dedicada no dia 21 de Novembro de 543. A memória litúrgica da Apresentação de Maria começou a ser celebrada em Constantinopla, no século VIII, espalhando-se pouco a pouco no Oriente. No Ocidente, esta festa também se desenvolveu lentamente. Em 1472 foi alargada a algumas igrejas latinas, parecendo no Missal Romano apenas em 1505. É uma daquelas festas que, no dizer de Paulo VI, «para além do dado apócrifo, propõem conteúdos de alto valor exemplar e dão continuidade a veneráveis tradições» (Marialis cultus 8).

Evangelho: Marcos 3, 31-35

Jesus ultrapassa a crise aberta com os seus familiares, particularmente com a Mãe e os irmãos, alargando os limites da familiaridade com Ele a quem quer que que cumpra a vontade de Deus. Os verdadeiros familiares do Senhor são aqueles que «fazem» a vontade de Deus: «Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe» (v. 35). Na perspectiva de Jesus, a vontade de Deus não há de ser feita com a atitude de um escravo que executa ordens do dono, mas com o dinamismo e a criatividade de alguém que sabe escutar e ser coerente com a Palavra escutada.
Jesus é um verdadeiro mestre na arte de «fazer» a vontade do Pai. Maria é sua discípula fiel. Escuta, acredita e cumpre o que escuta e acredita «Feliz Aquela que acreditou».

Meditação

A Apresentação de Maria ao Templo não tem qualquer fundamento bíblico. São os evangelhos apócrifos que falam desse presumível acontecimento. Mas é claramente improvável que uma jovem tenha sido confiada ao clero de Jerusalém, num Templo inacessível a mulheres. Lemos no protoevangelho de Tiago: «Quando a menina completou três anos, Joaquim disse: «Chamai as meninas dos hebreus que não tenham qualquer mancha e tome cada uma delas uma lâmpada, uma lâmpada que não se apague. A menina não deverá voltar atrás e o seu coração não permanecerá fora do Templo do Senhor». Elas obedeceram àquela ordem e foram juntas ao Templo do Senhor. E o sacerdote acolheu a menina, tomou-a nos braços e abençoou-a dizendo: «O Senhor glorificou o teu nome em todas as gerações. Em ti, nos últimos dias, revelará a redenção que concede aos filhos de Israel». E mandou sentar a menina no terceiro degrau do altar. E o Senhor encheu-a de graça e ela dançou e tornou-se querida por toda a casa de Israel. Os seus pais deixaram o Templo cheios de admiração, louvando a Deus: a menina não procurou voltar atrás. E permaneceu no Templo do Senhor, semelhante a uma pomba, e a mão de um anjo oferecia-lhe o alimento» (Protoevangelho de Tiago 7, 2-8,1). É tudo muito bonito, mas é tudo muito «sobrenatural», bem pouco em sintonia com o realismo do mistério da Encarnação.

A Santa Sé admitiu a festa somente em 1372, a pedido do embaixador do rei de Chipre “e de Jerusalém”. Mas ela só aparece no Missal Romano a partir de 1505.
O Lecionário litúrgico oferece-nos uma proposta unitária para tornar verosímil a interpretação do acontecimento: a tipologia da presença. As duas leituras detêm-se nessa modalidade relacional. O oráculo de Zacarias proclama a presença de Deus no Templo e transmite a palavra do próprio Deus que se apresenta, como que a explicar o sentido e o significado dessa decisão divina, que enche de alegria o povo e há de levá-lo à contemplação. Se o mistério da presença de Deus no meio do seu povo era uma realidade no Antigo Testamento, mais o é no Novo Testamento.

A Santíssima Humanidade de Cristo é o novo Templo, o novo ´lugar´ da Presença de Deus no meio de nós. Em Jesus, Deus torna-se presente ao homem, e o homem tem o caminho para se tornar presente a Deus. A primeira criatura que beneficiou dessa presença, e se apresentou a Deus, foi a Virgem Maria. Nela se realizou, como em ninguém jamais, a mútua presença e imanência: Deus apresentou-Se a Ela e Ela apresentou-se a Deus; Deus permaneceu nela, e Ela permaneceu em Deus.

O evangelho refere a presença de Maria junto do seu Filho. Esta presença como que torna visível o mistério profundo que meditamos. As palavras de Jesus, sobre a identidade daqueles que Ele julga seus parentes, deixam clara a mensagem: o Senhor está presente junto da pessoa humana; sendo assim, a pessoa humana tem a porta aberta para se apresentar diante do Senhor. Se o Templo torna visível o encontro entre Deus e o homem, a Santíssima Humanidade de Cristo torna-o ainda mais visível.

Tendo como pano de fundo o delicado símbolo da presença de uma menina na solenidade do Templo, isto é, a chamada «apresentação de Maria ao Templo», a liturgia hodierna leva-nos a meditar no sentido de uma apresentação de nós mesmos diante do Senhor. A própria presença diante do Senhor torna-se apresentação todas as vezes que é iluminada, explicada, motivada, cultivada pela consciência. O símbolo da apresentação de Maria ao Templo equivale, portanto, à consciência da identidade de Maria e da sua função junto do Messias, cada vez mais importante, primeiro por parte dos seus familiares e, depois, por parte da própria Virgem Maria e, finalmente, por parte dos outros crentes. O sentido fundamental é este: Maria está sempre na presença do Senhor, integralmente dedicada ao seu serviço, crescendo na consciência de si e da sua missão.

Quando Deus se torna presente a nós em Jesus e na sua palavra, e nós nos tornamos presentes a Deus, em Jesus, e guardamos a sua palavra, também nos tornamos felizes, bem-aventurados, como Aquela que recebeu no seu ventre, transportou e deu à luz Jesus Cristo, nossa Bem-aventurança.

Oração

Salve santa Maria, filha de Israel e guarda do Evangelho. Tu deste-te inteiramente ao Senhor. Para viveres na sua presença, escolheste uma vida de oração, de trabalho e de silêncio. A tua vida tornou-se um templo em que Deus veio habitar. A tua alegria e a tua felicidade eram servi-lo dia e noite, vivendo na sua presença. «Bem-aventurados os que habitam na vossa casa, Senhor! Bem-aventurados os que só do Senhor esperam o seu apoio e o seu socorro. Os seus corações elevar-se-ão de grau em grau e avançarão sem cessar na virtude», diz o Salmo. Santa Maria, apresentada ao Templo, tu és para nós modelo da vida no Espírito, modelo do dom de nós mesmos a Deus. Faz-me compreender bem a vida de abandono e entrega ao Senhor. Por isso, me consagro a vós e ao Coração Jesus. Amém

Contemplação

Maria não tinha senão três anos, mas já tinha a razão desenvolvida e estava avançada em graça. Unia-se à recitação e ao canto dos belos salmos que os seus pais Ana e Joaquim diziam com tanto fervor. E a graça divina falava ao mesmo tempo ao seu coração. Podemos pensar que impressão fazia sobre esta alma cândida o salmo 83: «Como são amáveis os vossos tabernáculos. Deus das virtudes! A minha alma suspira e desfalece para ir até aos átrios do Senhor… Bem-aventurados os que habitam na vossa casa, ó meu Deus…». – E enquanto ela recitava e saboreava estas aspirações, a graça solicitava a sua alma. O Verbo divino dizia-lhe como no salmo 44: «Escuta, minha filha, vê, presta atenção ao meu apelo: esquece o teu povo e a casa de teu pai…». Fonte: http://www.dehonianos.org

Por Dom Zanoni Demettino Castro

Arcebispo de Feira de Santana

No momento em que se repercute a fala do ancora do Jornal da Globo quando anunciava o resultado das eleições nos Estados Unidos e fora flagrado numa declaração racial, nada respeitosa e profundamente preconceituosa, ao afirmar que o que o buzinaço que estava acontecendo naquele instante era “coisa de preto”, somos chamados, neste novembro negro,  a refletir sobre a vida, a fé, a cultura e a tradição do povo brasileiro afrodescendente, a refletir sobre “coisa de negro”.

Sob o manto de Nossa Senhora Aparecida os Bispos da América Latina e do Caribe, em sua V Conferência, constataram que a história dos afrodescendentes “tem sido atravessada por uma exclusão social, econômica, política e, sobretudo, racial, onde a identidade étnica é fator de subordinação social”(DAP96). Embora vivamos num novo tempo, numa nova época em que não se admitem etnocentrismos, xenofobismos e preconceitos, os afrodescendentes “são discriminados na inserção do trabalho, na qualidade e conteúdo da formação escolar, nas relações cotidianas”. As consequências dos 300 anos de escravidão ainda não foram suficientemente reparadas. Os números estatísticos são nítidos: há “um processo de ocultamento sistemático dos valores, da história e da cultura dos afrodescendentes (DAP 102) .A formação superior, que deveria ser um direito garantido a todos, tem sido uma meta quase impossível de ser alcançada, dificultando ao negro o acesso às esferas de decisão na sociedade” (DAP 533).

Esta realidade deve ser enfrentada. Como cristãos acreditamos que os valores do Reino de Deus são imprescindíveis no processo de gestação de um novo modelo cultural, quando os afrodescendentes  “assumindo uma atitude mais protagonista” conscientes do poder que têm nas mãos e da possibilidade de contribuírem na construção desse novo modelo cultural, a nova sociedade, justa e solidária(DAP 75), sinal do reino definitivo, anunciado e realizado por Jesus Cristo.

Nesta clima de reflexão e aprofundamento nos alegra a realização de dois grandes acontecimentos: o IX CONENC que acontecerá de 18 a 21 de janeiro de 2018 em Maringá no Paraná e o XIV EPA, Encontro de Pastoral Afro americana, em Cali na Colômbia com o tema “A espiritualidade Afro-americana e os desafios do século X

Creio que em nosso agradecimento a Deus, podemos fazer nossa a belíssima canção do Pe. Valmir Neves: “Senhor venho ofertar coisa de negro, coisa de negro, afinal, coisa de negro. O suor de cada dia, o peso de nosso trabalho, as mãos tomadas de calos, coisa de negro. O que faço não é certo. Meu grito nunca fez eco. Senhor, sou negro. E não nego. Venho ofertar minha dor. Senhor meu canto gemido. Dele nunca vou esquecer. Entre salmos e benditos. Venho vos oferecer.”

Peçamos à Maria, a Soberana Quilombola, Mãe de Deus e nossa Mãe, que neste ano em que comemoramos os 300 anos do encontro de sua imagem no Rio Paraíba, interceda por  nós a fim de que o compromisso com o povo negro, assumido na Quinta Conferencia de Aparecida, permaneça firme no horizonte evangelizador de toda a Igreja do Brasil.

Fonte: http://www.diocesedejuazeiro.com.br

O cardeal Peter Turkson, presidente do Conselho Pontífice de Justiça e Paz do Vaticano, se pronunciou em carta aos movimentos sociais brasileiros, que se reuniram em Mariana (MG) no início deste mês, reafirmando o comprometimento do Vaticano com as lutas populares por Terra, Teto e Trabalho. Conforme lembra o cardeal, o papado de Francisco entende o chamado três 'Ts' como direitos sagrados. A carta é publicada por Conselho Indigenista Missionário – CIMI, 13-06-2016.

Turkson se referiu às palavras do Papa Francisco ainda para ressaltar que os principais problemas mundiais só serão resolvidos pelas mãos dos humildes, ou seja, pela luta incessante de povos, comunidades e grupos sociais, em união, por uma nova conformação política e social, onde a economia esteja a serviço dos povos e a Mãe Terraseja respeitada.

Leia a carta na íntegra:

Irmãos e irmãs dos movimentos populares do Brasil:

Em nome do Conselho Pontífice de Justiça e Paz, saúdo a todos e todas. Lamento não ter acompanhado seu encontro onde retomam os debates e propostas de objetivos fixados em comum: que os três 'Ts' – Terra, Teto e Trabalho – sejam respeitados em toda Criação porque são, como assinala o Papa Francisco, direitos sagrados.

Que bonito gesto de realizar a reunião do Brasil em Mariana (MG), em solidariedade com as vítimas do paradigma tecnocrático que coloca a natureza a serviço da ganância. Sabemos que a contaminação da bacia do rio Doce e das comunidades que vivem em suas margens é grave. Os acompanhamos na busca de que crimes ambientais como esse não se repitam.

Sei que estão vivendo um momento crítico em seu país. Me vem à mente uma palavra fundamental: democracia. Vale a pena lutar, de forma pacífica e tenaz, por uma democracia plena e participativa.

Recordo as três tarefas que o Papa Francisco propôs a vós durantea reunião celebrada na Bolívia, em 2015: 1. Colocar a economia a serviço dos povos; 2. Unir os povos em busca da paz e da justiça; 3. Cuidar da Mãe Terra.

O Papa nos recordou que as soluções aos grandes problemas do mundonascem da criatividade das mãos dos humildes, de vossas mãos. Orem por ele e contem com as orações e o apoio deste Conselho Pontífice.

Graças a todos e todas que agem e que Deus os abençoe. Que o exemplo de Maria, sempre firme diante das adversidades, os inspirem a caminhar e cantar!

Roma, 3 de junho de 2016
Cardeal Peter K. A Turkson 
Presidente do Conselho Pontífice de Justiça e Paz

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

Dom Genival Saraiva

Bispo Emérito de Palmares – PE

 

A população identifica a face do Brasil através de diversas variáveis sociais, estando aí compreendidas suas potencialidades, conquistas e mazelas. Em face dos problemas existentes, é muito comum ouvir-se comentário de pessoas simples ou de experts a respeito do potencial que tem o Brasil, para adotar políticas públicas que levem a um desenvolvimento igualitário, considerando-se sua diversidade regional, cultural, social, econômica.

De outro lado, lendo-se a história do País, são visíveis as conquistas em setores importantes da atividade social e econômica, muito embora muitas delas não sejam usufruídas por toda a população, como escola, hospital e transporte de qualidade.

Diferentemente das conquistas sociais, as mazelas sociais dizem respeito à população brasileira, como um todo. Tome-se como exemplo a realidade da violência social, em três frentes – homicídios, acidentes de trânsito, corrupção.

Os números são alarmantes, as estatísticas são estarrecedoras nesse terreno. Em relação à violência social, identificada nos homicídios, conforme dados recentemente divulgados pelo “Instituto de Pesquisa Econômica aplicada (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FPSP)”, cerca de 60.000 (sessenta mil) pessoas foram assassinadas no Brasil, em 2014. Quando forem computados, os dados de 2017, seguramente, mostrarão o aumento desse número.

Torna-se uma comoção mundial saber que uma cidade de sessenta mil habitantes foi destruída por um terremoto. Também falaria muito ao sentimento popular se uma cidade de sessenta mil pessoas fosse riscada do mapa brasileiro por um fenômeno natural. Todavia, a população vai se acostumando com a “destruição” de uma cidade brasileira, a cada ano, por conta da violência social! As mortes provocadas por acidentes de trânsito continuam muito elevadas, mais de 40.000 (quarenta mil) por ano.

Chama a atenção um dado nessa estatística: são, aproximadamente, 12.000 (doze mil) mortes, por ano, decorrentes de acidentes de moto. Além do sofrimento que causam às famílias, as consequências sociais desse tipo de acidente também estão registradas de outras maneiras – hospitalização prolongada, pagamento de seguro obrigatório, de auxílio-acidente. No conjunto desses acidentes, destacam-se hoje os provocados por motos.

Por sua vez, a rubrica corrupção apresenta números preocupantes, absurdos, com valores subtraídos inescrupulosamente dos cofres públicos, por políticos e empresários, cujos efeitos são percebidos em todos os Estados do Brasil. A maioria da população sempre soube que a corrupção é prática secular no Brasil; no entanto, não esperava que chegasse aos patamares que estão sendo revelados pelas várias investigações, no âmbito da Justiça e da Polícia.

O crescente número de homicídios, a elevada estatística de acidentes de trânsito e o assalto aos recursos públicos pela corrupção político-empresarial constituem a causa maior do estado de insegurança e do sofrimento da população brasileira. Infelizmente, ninguém está isento desse mal – a violência social; diante desse perigo cotidiano – a violência do trânsito, ninguém está protegido; as suas consequências desse mal generalizado, a corrupção, atingem todas as famílias, particularmente, as mais pobres, e todas as comunidades, especialmente, as mais carentes.

Essas mazelas sociais são consequência da omissão e acomodação da população e resultado dos erros e abusos dos governantes. Assim, os números alarmantes e as estatísticas estarrecedoras da violência social exigem um posicionamento criterioso da população e uma mudança radical na conduta das autoridades constituídas, em vista da política do bem comum.

Fonte: https://paraibaonline.com.br

Francisco recordou na sua homilia que “todos somos mendigos do essencial, do amor de Deus que nos dá o sentido da vida e uma vida sem fim. Por isso, também hoje, estendemos a mão para Ele a fim de receber os seus dons”.

Reatando estas palavras ao Evangelho deste domingo em que São Mateus fala da parábola dos talentos, Francisco disse que aos olhos de Deus todos somos “talentosos”, ninguém, pode considerar-se inútil ou tão pobre que nada possa dar aos outros. “E Deus a cujos olhos nenhum filho pode ser descartado, confia uma missão a cada um”. E  como um Pai amoroso e exigente, Ele “responsabiliza-nos” e convida-nos através da parábola dos talentos a não nos comportarmos como o servo mau que recebeu o talento, enterrou-o e entregou-o depois tal e qual o recebera. O Papa chamou a esta atitude “omissão” e disse que não devemos ser como esse servo que no fundo não fez nada de mal. Porém, “não fazer nada de mal, não basta. Porque Deus não é um controlador à procura de bilhetes não timbrados. É um Pai à procura de filhos, a quem confiar os seus bens e seus projetos. E é triste, quando o Pai do amor não recebe uma generosa resposta de amor dos filhos, que se limitam a respeitar as regras, a cumprir os mandamentos, como empregados na casa do Pai”.

É verdadeiramente fiel a Deus aquele que não aceita deixar tudo como está e, por amor, arisca a vida pelos outros, não permanece indiferente, atitude que o Papa elucidou com estas palavras:

“É dizer “não me diz respeito, não é problema meu, é culpa da sociedade” É passar ao largo quando o irmão está em necessidade, é mudar logo de canal quando um problema sério nos indispõe, é também indignar-se com o mal, mas sem fazer nada. Deus, porém, não nos perguntará se sentimos justa indignação, mas se fizemos o bem.”

Agradar a Deus significa conhecê-lo através da sua Palavra, e o Evangelho deste domingo recorda-nos que o Senhor diz que quando fazemos o bem aos pequeninos é a Ele que o fazemos.

“Estes irmãos mais pequeninos, seus prediletos, são o faminto e o doente, o forasteiro e o recluso, o pobre e o abandonado, o doente sem ajuda e o necessitado descartado. Nos seus rostos, podemos imaginar impresso o rosto d’Ele”.

Através do pobre Jesus bate à nossa porte e pede-nos amor. Quando respondemos positivamente somos amigos fieis do Senhor. Deus tem em grande apreço a “mulher forte” que “estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente” – disse Francisco indicando nesta atitude a verdadeira fortaleza:

“Esta é a verdadeira fortaleza: não punhos cerrados e braços cruzados, mas mãos operosas e estendidas aos pobres, à carne ferida do Senhor”.

Francisco continuou afirmando que nos pobres manifesta-se a presença de Jesus entre nós, Ele que se fez pobre, por isso na fragilidade dos pobres há uma “força salvífica”. São eles que nos abrem o caminho para o Céu e nós temos o “dever evangélico” de cuidar deles e de o fazer não só dando o pão, mas repartindo com o eles o Pão da Palavra (…). “Amar o pobre significa lutar contra todas as pobres, espirituais e materiais”. O amor ao próximo é o que conta verdadeiramente. E temos diante de nós uma escolha – disse a concluir o Papa: “viver para ter tudo na terra ou dar para ganhar o Céu. Para o Céus, não vale o que se tem na terra, mas o que se dá e “quem amontoa para si não é rico em relação a Deus” . Então, sublinhou ainda o Papa: “não busquemos o supérfluo para nós, mas o bem para os outros , e nada de precioso nos faltará”. E rematou:

“O Senhor, que tem compaixão das nossas pobrezas e nos reveste dos seus talentos, nos conceda a sabedoria de procurar o que conta e a coragem de amar, não com palavras, mas com obras”. Fonte: http://br.radiovaticana.va

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

O Dia Mundial dos Pobres, 19 de novembro, instituído pelo Papa Francisco, deve soar como denúncia profética, diante da inexistência de prioridade nos cuidados dedicados aos que sofrem. O descaso com o sofrimento dos pobres é a origem da multiplicação de vergonhosos cenários na sociedade contemporânea. O desafio para mudar esta cruel realidade é de todos, principalmente de quem professa a fé em Jesus Cristo. O Papa Francisco lembra a forte palavra da Primeira Carta de São João quando destaca a recomendação fundamental: “Não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade”. Crer é amar, e o amor não admite álibis, diz o Papa Francisco. Só há um caminho para viver, de modo autêntico, a fé cristã: assumir o exemplo de Jesus e amar os pobres. Algo bem diferente do que fazem muitos daqueles que se dizem cristãos, mas deixam para segundo plano as necessidades de quem precisa de ajuda.

O amor cristão nada tem a ver com a demagogia de atos eleitoreiros, com a busca de visibilidade e reconhecimento pessoal. Menos ainda se relaciona com a tendência antiquada e antipática de tratar os pobres como reféns, buscando atender, “a conta gotas”, a suas necessidades. É preciso ter vergonha de tratar os pobres simplesmente como destinatários de algo, sem reconhecer a dignidade e o valor da vida de cada pessoa. Incontestavelmente, o amor aos pobres é mais que dever, constitui remédio para o coração: vivenciá-lo leva à cura das indiferenças que comprometem a paz. O amor aos pobres gera equilíbrio, possibilita reconhecer o sentido e o valor do outro. Esse sentido, com frequência, é obscurecido pela mesquinhez, por confortos e interesses egoístas, obstáculos que impedem compreender o próximo como irmão ou irmã.

Sábia e revolucionária é a recomendação do Papa Francisco: não se pode considerar os pobres simplesmente como alvos de um trabalho voluntário, praticado uma vez ou outra, improvisadamente. É preciso muito mais, pois a consciência social e moral da humanidade parece estar anestesiada, insensível diante dos que sofrem. Tem gente que cresce, avança nas conquistas, adquire conhecimento acadêmico, elaborando entendimentos sobre o mundo e a vida, mas permanece distante da dura realidade dos mais pobres. Consequentemente toda a humanidade perde, pois a sacralidade da dignidade humana é desconsiderada. E os desdobramentos dessa situação ficam cada vez mais evidentes, entre outros aspectos, no crescimento das muitas formas de violência que devastam, avassaladoramente, a sociedade.

A caridade, pela experiência da fé, e o sentido de partilha, pelo qualificado exercício da cidadania, têm força corretiva e formativa do caráter de cada pessoa. Contribuem ainda para que todos se percebam integrantes de uma coletividade, superando o individualismo egoísta. A caridade e a partilha são, assim, o caminho para superar tantos desrespeitos, inclusive a falta de indignação diante das desigualdades que desfiguram a sociedade. Por isso, sublinha o Papa Francisco, é preciso estender a mão aos pobres, encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. Eis o remédio que cura a indiferença, esse mal que adoece e mata. A caridade e a partilha podem devolver ao coração uma sabedoria cuja especialidade vem do encantamento pelo outro.

A pobreza convida cada pessoa a sair de certezas e comodidades que alimentam a mesquinhez e desgastam o valor essencial de ser altruísta. Por isso, mesmo com o passar dos séculos, continua exemplar a trajetória de São Francisco de Assis, testemunha da pobreza genuína. A fé deste Santo, ao fixar o seu olhar em Cristo, aponta o caminho de uma contribuição que pode ter força para mudar a história da humanidade, em meio a tantas contradições, abrindo caminhos para o verdadeiro e integral desenvolvimento humano. Sem a coragem audaciosa para erguer os pobres de seu estado de marginalização, com uma escuta amorosa e humilde do grito de quem sofre, não se dará rumo novo à sociedade, que continuará imersa nos esquemas de corrupção, nas manipulações e descalabros.

A exigência primeira para sair desse cenário desolador é criar proximidade com os inúmeros rostos marcados pelo sofrimento, opressão, violências, torturas e marginalização. Os cidadãos e cidadãs precisam de uma nova visão de vida, para vencer a miséria moral e a passiva conivência com todo tipo de injustiça. Será um verdadeiro Dia dos Pobres, passo adiante da sociedade em direção ao bem e à justiça, se esta data – 19 de novembro – for oportunidade para incomodar-se com a acumulação de riquezas nas mãos de poucos privilegiados, com a exploração humana e com as ilegalidades que acentuam a pobreza. A celebração do Dia Mundial dos Pobres contribua, assim, para efetivar o sonho de um mundo marcado por qualificado e amoroso voluntariado – todos unidos na luta terapêutica pela edificação de uma sociedade solidária, de equilíbrio, justiça e paz. Fonte: http://arquidiocesebh.org.br

Os últimos, os frágeis, os homens e as mulheres dos quais a dignidade é pisoteada todos os dias. Para eles, será celebrado, no próximo domingo, 19 de novembro, o 1º Dia Mundial dos Pobres no Vaticano. Um evento fortemente desejado pelo Papa Francisco na conclusão do Jubileu da Misericórdia e organizado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, que reunirá 4.000 pessoas necessitadas, carentes e pobres na Basílica de São Pedro para a missa com o pontífice às 10h (hora de Roma). A reportagem foi publicada por Vatican Insider, 14-11-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Todos serão acompanhados pelos membros das associações de voluntariado provenientes não só de Roma e do Lácio, mas também de diversas dioceses do mundo (como Paris, Lyon, Nantes, Angers, Beauvais, Varsóvia, Cracóvia, Solsona, Malines-Bruxelas e Luxemburgo).

Após a missa com o papa, 1.500 pobres serão acolhidos na Sala Paulo VI, para participar de um almoço festivo com o Papa Bergoglio. O momento será animado pela Banda da Gendarmeria Vaticana e pelo coro Le Dolci Note, composto por crianças de 5 a 14 anos.

Os outros 2.500, por sua vez, serão transferidos para refeitórios, seminários e colégios católicos em Roma (Pontifício Colégio Americano do Norte, Colégio Apostólico Leoniano, refeitórios do Círculo de São Pedro, refeitório da Cáritas Roma, Comunidade de Santo Egídio, Pontifício Seminário Romano Menor, Pontifício Ateneu Regina Apostolorum) para também participar de um almoço festivo.

Os pobres serão servidos por 40 diáconos da diocese de Roma e por cerca de 150 voluntários provenientes das paróquias de outras dioceses. O menu que o restaurante Al Pioppeto, de Sergio Dussin, servirá na Sala Paulo VI será composto por nhoques da Sardenha com tomates, azeitonas e queijo Collina Veneta, costeletas de vitela com legumes, polenta e brócolis de Bassano, tiramisú veneziano, água, suco de laranja e café.

O Dicastério para a Nova Evangelização, de acordo com um comunicado, dirigiu-se a algumas associações de voluntariado, como a Cáritas, Comunidade de Santo Egídio, Ordem de Malta, Nuovi Orizzonti, Comunidade João XXIII, Associação Fratello 2016, Obras Antonianas de Roma, ACLI, Grupos Vincentinos de Voluntariado.

E também foram envolvidas as realidades próximas das pessoas marginalizadas e das paróquias, para que conseguissem envolver todos os necessitados nesse dia. Foi generosa a resposta de todos esses institutos, que ofereceram um apoio valioso na organização.

Entre as iniciativas em preparação ao evento, deve-se ressaltar o Presidio Sanitario Solidale, ativo – de segunda-feira, 13, a domingo, 19 de novembro, das 9h às 16h – na Praça Pio XII. Nessa área médica, serão realizadas, gratuitamente, para todos aqueles que pedirem, análises clínicas, consultas médicas especializadas de cardiologia, dermatologia, infectologia, ginecologia e andrologia.

Na véspera do evento, sábado, 18, às 20h (hora de Roma), na Basílica de São Lourenço Fora dos Muros – deliberadamente escolhida pela referência ao santo diácono de Roma, que, ao imperador que lhe pediu as riquezas da Igreja, apresentou os pobres, dizendo: “Estes são os verdadeiros tesouros da Igreja” – será celebrada uma vigília de oração pelo mundo do voluntariado, que, todos os dias, no silêncio do seu compromisso, oferecem alívio e alegria a tantos pobres.

Na preparação do 1º Dia dos Pobres, foi preparado um subsídio pastoral, intitulado “Não amemos com palavras, mas com obras”, traduzido para seis idiomas. Na Itália e no restante do mundo, as dioceses e as paróquias acolheram com entusiasmo o convite do Papa Francisco, com muitas iniciativas em favor das pessoas menos favorecidas. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br